Bienal Brasileira de Design 2010 vai neutralizar suas emissões de carbono

A organização da Bienal Brasileira de Design 2010 Curitiba já tem o relatório de estimativa das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE), principais vilões do desequilíbrio climático mundial. O relatório, elaborado pelo SENAI/CIC, levou em consideração fatores diretamente ligados à realização da Bienal, identificados de acordo com o órgão da ONU responsável pelo clima, o IPCC (Painel Intergovernamental das Mudanças Climáticas). Entre as informações analisadas, estão: o público total do evento; visitantes, palestrantes e organizadores por local de origem, meio de transporte e combustível utilizado; transporte dos produtos expostos; material de divulgação; total de energia elétrica consumida; entre outros (veja detalhes nas tabelas abaixo).

A estimativa total de emissões foi calculada na forma de toneladas de dióxido de carbono equivalente (CO2e), seguindo o padrão mundial estipulado pelo IPCC. O dióxido de carbono equivalente leva em conta o potencial de aquecimento global dos gases analisados, e calcula a quantidade de CO2 que equivale a tal emissão. A estimativa total de emissões de Gases de Efeito Estufa da Bienal de Design 2010 foi de 241,26 toneladas de CO2e, sendo o transporte rodoviário o responsável número um, com emissões de 115,24 toneladas de CO2e, seguido pelo transporte aéreo, com 92,42 toneladas de CO2e – os dois, juntos, responsáveis por 97% das emissões totais do evento.

Para neutralizar o dano ambiental causado pela Bienal, o Centro de Design Paraná se responsabilizou pelo plantio de árvores que, ao longo de sua vida, vão realizar o seqüestro de carbono equivalente às 241,26 toneladas emitidas. Estima-se que cerca de quatro a seis árvores (número que varia de acordo com cada espécie) são necessárias para cada tonelada de CO2 a ser neutralizado.