Brasileiros se destacam no concurso A’Design Award

Fontes dessa matéria: Portal Jóia br / Casa Vogue / Habitus Brasil

Foram mais de 10 brasileiros que levaram mais de 20 prêmios no concurso italiano A’Design Award  do biênio 2015 – 2016.

O prêmio é conhecido por impulsionar criações de designers e marcas que oferecem valor agregado em termos de utilidade, funcionalidade, estética, eficiência, desempenho superior e atenção à sustentabilidade em 100 categorias diferentes.  O A’ Design Award & Competition foi fundado para promover e reconhecer os melhores trabalhos de design do mundo em todas as disciplinas criativas. O foco principal é criar um reconhecimento e um entendimento global das práticas e princípios do design ao destacar os melhores projetos de design do mundo. Ele é reconhecido por escolher os melhores modelos usando critérios de avaliação rigorosos. O júri do A ‘Design Award é composto por 72 acadêmicos, profissionais, empresas convidadas de todo o mundo.

Além do troféu e certificado, os projetos vencedores passam por várias exposições e passam a compor o anuário da premiação. Segundo a organização, também há apoio para outras ações de marketing e comunicação na mídia, e os contemplados ganham o direito de ostentar o selo “Award Winner”, demonstrando que o produto/serviço venceu a competição.

Os participantes podem ganhar em cinco níveis de reconhecimento: Platina, Ouro, Prata, Bronze e Ferro. Foram premiados 1.278 projetos, de 88 países. A noite de gala de premiação será dia 8 de junho no lago de Como, na Itália, com exposição de 9 a 28 de junho no “MOOD” Museum of outstanding design ( Ex Chiesa di San Francesco, Como, Italy). De 02 de julho a 04 agosto, a exposição dos vencedores será na Holanda (Cube Design Museum, Museumplein, Kerkrade, Netherlands). De 28 de setembro a 1 de Outubro, a exposição será durante a Bologna Design Week, na Itália. E a China recebe a exposição entre 6 e 8 de novembro na Shenzhen International Industrial Design Fair.

Conheça alguns dos brasileiros que

se destacaram NO A’DESIGN AWARD 2015-2016

Marcelo Lopes

Anel Naja

Anel Naja (imagem portal joiabr)

Criado pelo paulistano Marcelo Lopes, o anel Naja é feito com ouro 18 k amarelo e branco, ródio negro, rubi e diamantes. Concebida para um formando em Direito, a joia é peça única, repleta de simbologias. A começar pelo formato: o anel é quadrado – referência aos quatro elementos, às quatro fases da lua e aos quatro pontos cardeais.  No sistema hieroglífico egípcio, o quadrado significa realização.

Marcelo também diz que a forma é uma versão contemporânea da Naja  – serpente que é símbolo da proteção divina, da realeza e da evolução espiritual.

São oito os diamantes que enfeitam a peça. A escolha não foi aleatória. O 8 é o número do símbolo do infinito, do dinheiro e da abundância. A numerologia também explica: a formatura aconteceu em 2015 – ano cuja soma dos dígitos resulta em 8. Mais um detalhe: os diamantes, em corte brilhante, são giratórios.

O rubi não poderia faltar, é a pedra preciosa relacionada à profissão de advogado.  Sua cor vermelha  está associada à vida e à segurança, e também representa a boa oratória. A lapidação redonda da gema faz referência ao círculo, considerado um sinal de perfeição, união e plenitude. O anel Naja foi produzido pela Art’Orafo, de São Paulo.

Fabio Brasil e Henrique Murgel

pulseiras Cypris

pulseiras Cypris

A natureza imprevisível do mar, com seus movimentos, formas e reflexos, inspirou a criação do conjunto de pulseiras Cypris (Gold A’ Design Award ) O usuário pode criar diversas composições, combinando os modelos e suas curvas aleatórias e imprevisíveis. As superfícies onduladas das superfícies do metal (ouro branco ou prata com banhos de ródio) em acabamento polido e acetinado revelam reflexos em muitos níveis de brilho e profundidade. A pérola negra (South Sea), com todo o seu mistério, parece flutuar entre as pulseiras, assumindo o papel de protagonista.

Os brincos Usire (Silver A’ Design Award) são resultado de experimentações em formas livres, por corte e dobragem de folhas de metal (ouro 18 k). Esta espontaneidade acabou inspirando a criação de uma coleção que apresenta harmonia e equilíbrio de formas sem a evidência de simetria, já que permite seu uso em várias combinações.  O brinco com a forma original é usado em uma das orelhas, enquanto, de outro lado, pode-se escolher uma das variações das formas dele derivadas.

Cadeira Três Pés

Cadeira Três Pés

Ricardo Graham Ferreira

Designer e artesão, adquiriu conhecimentos sobre marcenaria na Europa. Viveu por três anos na Itália onde estudou na PCP Giuseppe Terragni. Atua em seu próprio estúdio O Ebanista desde 2006. O estúdio fica em Nova Friburgo (RJ). A madeira é a principal matéria-prima utilizada em seus móveis. Venceu o prêmio Bronze com a cadeira Três Pés.

 

Fernanda Marques

Revestimento Synapsis Foto: MarianaOrs

Revestimento Synapsis Foto: MarianaOrs

A arquiteta foi contemplada com três prêmios, em diferentes categorias. Em Architecture, Building and Structure Design, a Fazenda Boa Vista se destacou com seus painéis de madeira deslizantes combinados a vidro e pedra. Já na categoria Interior Space and Exhibition, ganhou com projeto de interiores London Penthouse, marcado pelo visual branco repleto de obras de arte. Na categoria destinada aos materiais, a arquiteta é a única brasileira a vencer com o revestimento Synapsis, criado para a Solarium.  A linha Synapsis é composta por três peças, um losango, um pentágono, e outra em formato triangular, que, de acordo com a montagem, formam diversas paginações diferentes, agregando movimento e sofisticação à parede.

 

Flávio Melo Franco

O arquiteto de Teresina (PI) imprime a sua identidade em peças puras e geométricas. Desde 2012 ele dirige o estúdio que leva seu nome e, em 2016, venceu na categoria ‘Design’ com o Aparador Veneza. Flávio Melo já havia vencido em 2013 na mesma categoria com a poltrona Baralho.

Aparador Veneza

Aparador Veneza

Ronald Scliar Sasson

Banco Água

Banco Água

O designer autodidata que começou sua carreira como artista plástico venceu a premiação Ouro com o Banco Água, feito para a Voler, e na categoria ‘Design’, com a poltrona De Beers, para a Sérgio Bertti Móveis.

De Curitiba (PR), mantém seu estúdio em Gramado (RS) e não é um nome novo na premiação, embora seja a primeira vez que conquista o Ouro. Já havia recebido o Bronze em anos consecutivos com o banco Luzia (2012), com a poltrona Palina e a mesa Logical (2013) e com a poltrona Zózimo (2014).

 

Tiago Curioni

banco Angel

banco Angel

Arquiteto formado pela Universidade Mackenzie, com certificação em arquitetura e sustentabilidade eco-friendly, Curioni cria peças de mobiliário e iluminação. Em seu estúdio, com sede em São Paulo, ele usa vários tipos de materiais, tais como cobre, aço e madeira, revelando o caráter dinâmico e inquieto de sua produção. Também se apropria do conceito de up-cycling, recolhendo elementos do lixo para transformar em novas formas. O Banco Angel (foto) recebeu premiação Bronze e é o primeiro produto vencedor do arquiteto no A’Design Award.

 

As inscrições para a competição 2017 já estão abertas. Designers, artistas, arquitetos, estúdios e empresas podem se inscrever.

Mais informações: https://competition.adesignaward.com/

Conheça todos os premiados: https://competition.adesignaward.com/winners.php