Conheça a Mono, marca brasileira que aposta no design aberto

Fonte Casa Vogue

Design aberto, opensource, open design ou design livre. Todos os termos são usados para definir uma forma de trabalho que ganha cada vez mais adeptos no mercado internacional. Designers e marcas têm optado por colocar os arquivos dos seus produtos à disposição para que interessados possam produzir os móveis por conta própria em diferentes partes do mundo.

No Brasil, uma das primeiras empresas a adotar o conceito foi a Mono Design, fundada em julho de 2015 pelo Studio dLux.

Mono Design  (Foto: Divulgação )

“Liberamos um arquivo de AutoCAD com o plano de corte da chapa e a produção se dá via fabricação digital. Todos os produtos têm uma patente. As pessoas podem baixar livremente os arquivos para uso pessoal, mas nunca com fins comerciais”, explica o arquiteto Denis Fuzii, à frente da Mono e do Studio dLux, ressaltando a economia nas despesas com o transporte como um dos maiores benefícios.

Mono Design  (Foto: Divulgação )

Para que tal prática funcione bem, a equipe da Mono aposta em peças fáceis de montar. Todos os móveis têm encaixes simples e são feitos de compensado naval, cobertos com uma lâmina de Pinus e têm acabamento em verniz à base d´água.

Mono Design  (Foto: Divulgação )

“O grande diferencial da marca é que a pessoa pode optar entre produzir por conta própria ou comprar o móvel já com todo o acabamento no e-commerce da Mono. Se ela escolher a primeira opção, a peça é criada de forma rústica, sem a finalização”, declara Denis, que já aplica as peças da Mono nos projetos residenciais do seu escritório, como, por exemplo, esse apartamento integrado.

Mono Design  (Foto: Divulgação )

Atualmente a marca tem 20 objetos registrados em sua plataforma. Apesar da grande maioria ser de autoria do Studio dLux, a meta para 2016 é diversificar e alcançar a marca de 150 produtos no catálogo. Para isso, a Mono convoca designers de todo o mundo a mandarem seus projetos.

Mono Design  (Foto: Divulgação )

“No site da Mono existe uma seção para interessados enviarem seus projetos. Nós analisamos se a produção é viável, se for, enviamos o contrato, colocamos na plataforma e o designer ganha 8% a cada venda de produto. Queremos criar uma nova rede de designers”, conclui Denis.

Mono Design  (Foto: Divulgação )
Mono Design  (Foto: Divulgação )
Mono Design  (Foto: Divulgação )

1 Comentário

  1. Renato Mendes Strapazzon disse:

    Muito interessante essa plataforma proposta pela Mono.
    Eu sou Designer de Produto formado pela UNESP, apenas trabalhei com projeto de móveis no final da Faculdade e agora trabalho na área comercial de desenvolvimento de peças plásticas injetadas a 20 anos. Ou seja não trabalho diretamente na área. Mas tudo que encontro e vejo em meu caminho tenho vontade de recriar e reinventar, mas não tenho um canal para expor o que poderia produzir como Designer, e receio com relação a “patente”. Vou procurar me informar melhor sobre essa proposta da Mono, principalmente que percebi que ela tem um apelo ambiental de mono material que sempre gostei desde de quando fiz a faculdade na década de 90, e acredito até hoje.
    Legal!