Custo alto leva design brasileiro a ser fabricado na França

Fonte RFI Português

O que seria uma história de sucesso do design e do empreendedorismo esconde, na verdade, o fracasso da política industrial brasileira e um monumento ao famigerado Custo Brasil. Halbronn, que vive em São Paulo e descobriu a cadeira no inicio dos anos 2000, tentou fabricá-la no país, mas desistiu depois de dois anos e cerca de 400 unidades produzidas para o mercado interno.

Foi quando começou a receber os primeiros pedidos de fora do Brasil que a empresa percebeu que os custos de produção tornavam o produto pouco competitivo e o preço pretendido, de 1500 dólares pode cadeira, não teria como ser atingido.

A lista de dificuldades encontradas e que levou Halbronn a transferir a produção para a França é longa. A começar pelos fornecedores locais do aço e do couro, os dois principais elementos da peça.

O caso da cadeira paulistana ilustra o ambiente pouco propício ao desenvolvimento de certos setores econômicos no Brasil. A rede de lojas de roupa Zara também viu o seu modelo de negócio, que faz sucesso no mundo todo, passar por dificuldades quando chegou ao pais. O professor francês Pierre Salama, que acaba de lançar o livro As Economias Emergentes Latino-Americanas, afirma que a política econômica brasileira da ultima década torna o pais pouco competitivo. “O aumento da produtividade do trabalho é muito fraco no Brasil. Houve muito pouco aumento na produtividade, houve aumento de salários e uma valorização da moeda. Ou seja, há todas as condições para que se desenvolva a desindustrialização. E isso acontece já há uma década.”

Poltrona Paulistano - 1957 - Paulo Mendes da Rocha

Poltrona Paulistano – 1957 – Paulo Mendes da Rocha

Para ouvir a entrevista completa, acesse a fonte: http://www.portugues.rfi.fr/economia/20131210-custo-alto-leva-design-brasileiro-ser-fabricado-na-franca

3 Comentários

  1. Gustavo Guatelli disse:

    Um bom artigo que ilustra, mais uma vez, como uma economia intervencionista separa produtos (experiências) e consumidores (pessoas).

  2. luiz melo disse:

    é lamentável ver o nosso design ser produzido fora do pais, estes prejuizos são incalculáveis para toda a cadeia produtiva, desde o designer de produtos até as lojas brasileiras que poderiam estar oferecendo produtos com bom design a preços acessiveis. só discordo do exemplo da zara no brasil, esta empresa usa trabalho escravo dos bolivianos que vivem irregulares no brasil, com o “modelo de negócio” que ela utiliza aqui não é o mesmo que usa nos paises onde possui filiais.

    1. Matthieu disse:

      Ola luiz
      Ainda existe uma producao nacional para abastecer o mercado nacional. com os (altissimos) custos de importacao a producao nacional continua “competitiva”. Podera encontrar a paulistano e outros produtos editados pela objekto (www.objekto.fr) na futon company (www.futon-company.com.br). Matthieu.