“Da Mão à Máquina” é a principal mostra da IV Bienal Brasileira de Design 2012

 

 Minas Gerais começa a respirar design. Belo Horizonte está no ritmo para receber o maior evento de design do país: a IV Bienal Brasileira de Design 2012 (IVBBD), que vai ocorrer no período de 19 de setembro a 31 de outubro. Este grande acontecimento, que vai marcar todo o estado, realizado pelo Governo de Minas Gerais, a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), com a coordenação técnica do Centro Minas Design (CMD), vai trazer a capital mineira, com a mostra principal “Da Mão à Máquina”, novidades na área do design, bem como seminários, debates, workshops, entre outros.

A Bienal Brasileira de Design (BBD) é uma ação de Políticas Públicas, que por sua magnitude agrega as principais iniciativas do Design desenvolvidas no país em todos os seus ambientes, quer seja na indústria, no meio acadêmico ou de gestão. Por sua forte inserção em diversos setores da atividade econômica e pela multiplicidade de utilização, o Design é forte ferramenta estratégica que agrega valor ao produto nacional.

 O tema principal da quarta edição é “Diversidade Brasileira” nas vertentes étnica, país megadiverso, recursos naturais e econômico/produtivo. A ideia de diversidade está ligada a conceitos de pluralidade, multiplicidade, diferentes ângulos de visão ou abordagem, heterogeneidade e variedade. Muitas vezes, pode ser encontrada na comunhão de contrários, na intersecção de diferenças ou ainda na tolerância mútua.

 A Bienal pretende delinear as referências e tendências nacionais e internacionais, com a participação de várias instituições que interagem com o design, e potencializar a sua utilização nos meios produtivos como ferramenta estratégica para a competitividade e melhoria da imagem do produto nacional no mundo, fortalecendo a Marca Brasil.

 Além disso, a Bienal Brasileira de Design provoca discussões, propicia debates, capacitação, geração de ideias e deve estar alinhada com outros fatores que lhe sejam pertinentes para o desenvolvimento social, econômico, ambiental e tecnológico nacional.

 A IV Bienal Brasileira de Design se distancia um pouco dos paradigmas seguidos pelas três primeiras na medida em que o design, nestes últimos anos, se redirecionou e também ampliou seus focos de interesse. Um deslocamento que já se anunciava, tornou-se radical. O design, atualmente, introduz importantes inovações, sendo imperativo que, a edição 2012, traga à luz da análise os principais aspectos dessa diversidade e abrangência. Surge um novo universo que integra os aspectos econômicos, sociais e tecnológicos.

 Mostra Principal

De acordo com a curadora geral, Maria Helena Estrada, a mostra principal vai apresentar aos visitantes a vocação arraigada do país, que é o artesanato, partindo de exemplos da cultura popular, onde não há a ‘mão’ do designer e outros produtos nos quais o profissional transpõe para uma linguagem contemporânea, sem deturpar a origem. “É importante mostrar este trabalho que começa a se firmar no Brasil. Não existe desenvolver um produto global sem antes passar pela cultura local”, afirma.

 Nessa quarta edição, DA MÃO À MÁQUINA é o título da grande mostra da BBD 2012, instalada no Palácio das Artes, a qual vai reunir a produção brasileira dos últimos dois anos, a partir do artesanato, chegando à indústria. Nela estarão presentes diversos segmentos ligados ao mobiliário, aos utensílios para a casa, à moda, às jóias, chegando a alguns meios de transporte. Um destaque da vertente industrial da mostra é a apresentação, ao vivo, de diversas novas tecnologias produtivas, ainda raras e recentes no Brasil. São tecnologias derivadas do que inicialmente se denominava “prototipagem rápida” e que hoje ganham novas denominações em virtude do desenvolvimento e da amplidão de campos de atuação que alcançaram. Esta exposição contará com máquinas de última geração e serão realizadas demonstrações ao vivo.

 A IV Bienal Brasileira de Design é uma promoção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – MDIC, Movimento Brasil Competitivo – MBC, Programa Brasileiro de Design – PBD, co-realização do Sebrae Nacional, o patrocínio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – APEX Brasil e Fiat, e o apoio da Fundação Clóvis Salgado – Palácio das Artes, Design Brasil, Arc Design, Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos – IBGM, Anglo Gold Ashanti, Adler do Brasil, Associação Brasileira de Empresas de Design – ABEDESIGN, Café Barão, Pif Paf Alimentos. 

Tags: