Design gráfico: O mercado para a área está em alta

O designer gráfico é responsável por dar forma visual a uma ideia abstrata, tornando a comunicação mais agradável e eficiente. O profissional planeja a disposição de elementos em diversos materiais impressos (como jornais, revistas, panfletos etc.), cria embalagens, elabora a identidade visual de uma empresa ou de uma campanha e realiza diversas funções na área de programação visual.

É comum confundir o trabalho do designer gráfico com o do publicitário. As profissões, embora sejam áreas diferentes, têm fronteiras bem próximas. De acordo com o designer Alberto Gadanha, a publicidade usa conhecimentos do design gráfico da mesma forma que utiliza conhecimentos de áreas como teatro ou marketing para vender um produto.

Segundo Gadanha, o mercado está melhor do que nunca. “Existe mais demanda do que profissionais capacitados”, afirma. “Cada vez mais as empresas procuram investir em identidade visual”.

 

 

 

Capacitação

Há várias maneiras de ingressar na profissão. Em Fortaleza, a Universidade Federal do Ceará (UFC) oferta o bacharelado em Design desde o ano passado, com foco em design gráfico e de produto. As faculdades 7 de setembro (FA7), Fanor e a universidade Estácio de Sá oferecem graduação tecnológica em Design Gráfico, com cursos de dois anos duração. Já a Universidade de Fortaleza (Unifor), oferece curso de pós-graduação na área.

A coordenadora do curso de especialização em Design Gráfico da Unifor, Simone Lima, afirma que o curso oferece, além de aprimoramento profissional e conta com profissionais de referência, discussões sobre os campos da arte, da estética, da filosofia e de outras áreas, com o objetivo de ampliar as referências conceituais dos alunos.

Mas há muitos profissionais que ingressam na carreira de outras formas, através de cursos livres ou mesmo de estudos independentes. Não há necessidade de diploma universitário para exercer a profissão. Gadanha, que também é coproprietário da Opa! Escola de Design, afirma que apesar de a graduação ser importante para a formação do profissional, “o que determina (a qualidade do designer) é o portfólio” – isto é, o trabalho realizado por ele.

A maioria dos designers trabalha como profissional livre ou através de freelances. De acordo com Gadanha, a média salarial de um profissional recém-formado contratado por um escritório de design ou por uma empresa gira em torno de R$ 1.200. Um profissional já consolidado pode receber, em média, cerca de R$ 6.000. Para incrementar a renda, muitos apostam na criação de escritórios de design próprios.

 

EM ALTA

O MERCADO está aquecido e as empresas estão investindo mais na área.

 

EM BAIXA

MUITAS PESSOAS ainda desconhecem o trabalho do profissional.