ESPECIAL: conheça os premiados do Salão Design Movelsul

O arquiteto Roque Frizzo, de Caxias do Sul, é o grande vencedor da décima-primeira edição do prêmio Salão Design Movelsul. Seu projeto Ayty Espreguiçadeira e Tatame foi eleito em primeiro lugar na categoria Profissional, o que valerá um prêmio de R$ 30 mil ao autor. “Confesso que estava confiante pela aceitação do produto, que está há dois anos no mercado. Mas foi uma surpresa ter sido escolhido. Um susto positivo”, afirmou Frizzo em entrevista concedida por telefone ao DesignBrasil. O júri do Salão Design justificou sua decisão com base na “harmonia na proposta técnica, formal e estética do móvel”. De acordo com Roque Frizzo, a Ayty surgiu da oportunidade de lançar uma linha de móveis para áreas externas como varandas, jardins e piscinas. “Ela foi feita com madeira de reflorestamento. A gente tentou fazer com que as alterações causadas pelas intempéries do tempo criassem um referencial para cada peça”. A Ayty (foto ao lado) está sendo comercializada há dois anos é um sucesso. Vem sendo exportada para países como México e Venezuela, entre outros”, explicou Frizzo. Seu escritório, o Roque Frizzo Arquitetura e Design, tem uma parceria com a Saccaro Móveis, que cuida da produção. “Um dos apelos fortes do produto é o sistema de reclínio cíclico que desenvolvemos, em curcuito fechado, diferente do sistema tradicional, em que há risco do usuário esmagar o dedo”, conclui. Nesta categoria, o segundo lugar ficou com Muestra, do argentino Antonio Cena; e o terceiro lugar com Espreguiçadeira Hamaca, de Roberto Hercowitz e Mariana Betting Ferrarezi, da Em2 Design, do Rio de Janeiro. Dois projetos receberam menções honrosas.Estudantes – Entre os projetos de acadêmicos, o primeiro lugar foi para Luiza Almeida Barroso (Unisul) e de Quentin Vaulot (ENSCI, da França). Eles assinam a Mesa Ofício, projeto que, segundo o júri, destaca-se por suas qualidades formais e proposta de novas soluções de uso. Os dois estudantes se conheceram quando Luiza Barroso fez um intercâmbio na ENSCI, em Paris. E decidiram criar uma mesa (foto ao lado) para escritório como metáfora do processo de criação. “Do lado esquerdo, o relevo no tampo e, embaixo, o aramado com formas diferentes representam o caos, aquela folha de papel que rabiscamos, amassamos e jogamos fora. Esta parte serve para guardar lápis e outros materiais. Do lado direito da mesa, plano, simboliza a fase em que as idéias tomam forma”, explicou Luiza ao DesignBrasil.Segundo ela, o protótipo – feito pelo designer Fábio Rautenberg – não demandou mais do que R$ 500,00 de matéria-prima. A expectativa é de que algum empresário na Movelsul tenha interesse no projeto. “Acredito na viabilidade comercial do produto”, disse. Os dois estudantes ganharão um prêmio de R$ 15 mil e passagens para o Sãlão Design em Milão.O segundo lugar ficou com o projeto Foz Abrigo de Transporte Coletivo, de autoria de Leandro Gava e Muriele Saude Pasini Vivian, da Universidade de Caxias do Sul. Em terceiro veio a Cadeira Pratika, de Luis Gustavo Bittencourt Pinto. ambos da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Três projetos ganharam menções honrosas.Outros prêmios – Na categoria Prêmio Indústria, o vencedor foi o projeto Entrelinha, da dupla Diogo Lage Souza e Eduardo Cronemberger de Faria, da Habto Design para a indústria ML Magalhães, do Rio de Janeiro. A justificativa do júri foi o resultado produtivo em consonância com os materiais adotados. O prêmio é de R$ 20.000,00. Um projeto do escritório argentino Options Design, o Icon, mereceu uma menção honrosa.A Chaise Zonza ganhou o Prêmio Madeiras Alternativas. O projeto é de Eduardo Gomes Baroni, do Rio de Janeiro. Na análise dos jurados, o material foi utilizado adequadamente, tanto do ponto de vista técnico como formal, e a madeira é aprovada pelo Ibama como matéria de manejo sustentável. Já o peruano Ricardo Geldres Piumatti, de Lima, faturou o Prêmio Mérito Social, pela cadeira Silla Rollitos de Totora”.Veja mais sobre o resultado no site www.salaodesign.com.br .

Tags: