Exposição de jóias brasileiras na Inglaterra

Desde setembro de 2011, três cidades da Inglaterra receberam a exposição ‘Jewels From Brazil’, que reúne o trabalho de dezessete artistas brasileiros de sete estados do país – São Paulo, Pernambuco, Distrito Federal, Ceará, Tocantins, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

A mostra é uma versão pocket da Bienal Brasileira de Design 2010 Curitiba, e compartilha também a curadoria de Adélia Borges.
A combinação de dois pólos, o natural e o artificial, afirma o brasileirismo das jóias selecionadas. De um lado, materiais naturais – não somente as pedras preciosas brasileiras e os metais como ouro e prata, mas também sementes de árvores da Amazônia, fibras de palmeiras das praias do Nordeste, o exclusivo capim dourado do coração do país e até couro de peixes dos rios. De outro, materiais que vêm do lixo, como as garrafas de plástico usadas para engarrafar água.

Antes de se popularizar mundialmente, a prática de reaproveitamento de resíduos é tradicionalmente comum entre o povo brasileiro, principalmente pela base econômica do país. Como afirmou Buckminster Fuller nos anos 1960, o lixo é o único recurso em contínua expansão no planeta – e se o teórico norte-americano tivesse visitado o Brasil, ele teria conhecido um povo que já praticava a ecologia antes mesmo da palavra existir no dicionário. E, ainda que o recente crescimento econômico tenha afetado esta postura, a popularidade da reutilização voltou à tona devido a larga consciência ambiental difundida mundialmente.

A biodiversidade brasileira fornece um grande número de matérias-primas naturais, muitas das quais estudadas recentemente e só agora utilizadas como alternativas. Além da nova construção, as jóias brasileiras apresentam uma nova maneira de interação com o corpo humano através de objetos com novos formatos.

Em ‘Jewels From Brazil’, a inventividade popular e a riqueza de recursos brasileiros se unem para enaltecer um momento de grande criatividade da nação verde-amarela, que mostra a silhueta de sua identidade através da multiplicidade nas criações e nos materiais escolhidos. A primeira parada da exposição, em Barnsley, aconteceu no The Civic paralelamente à exposição (+55)Brazil, que teve curadoria de David Sinclair. A segunda parada foi na cidade britânicas de Sleaford no The Hub onde ficou pelo período de 12 de novembro a 8 de janeiro de 2012 com uma visitação que teve recorde de público no espaço. A mostra seguiu agora para a cidade de Wimborne no Walford Mill Crafts onde ficará até 26 fevereiro de 2012.

O trabalho, coordenado pelo Centro de Design Paraná, uma organização sem fins lucrativos que realizou a Bienal Brasileira de Design 2010 Curitiba – de onde teve origem esta mostra internacional – conta com a curadoria de Adélia Borges e produção executiva de Ana Helena Curti, da Arte3.

DESIGNERS PARTICIPANTES

Bettina Terepins
Brasília Faz Bem
Cátia Avellar
Claudia Villela Salles
Claudio Quinderé
Flávia Amadeu
Joana Prudente
Mana Bernardes
Maria Oiticica
Mary Figueiredo Arantes
Miriam Korolkovas
Miriam Mamber
Miriam Pappalardo
Mônica Carvalho
Paulo Bustamante e Virginia Pinto Coelho
Sandra Frias
Tiana Santos

SERVIÇO – LOCAIS E DATAS

The Civic, Barnsley: 15 de setembro a 4 de novembro de 2011.
Hanson St, Barnsley, South Yorkshire S70 2HZ.
www.barnsleycivic.co.uk

The Hub – The Roof Gallery, Sleaford: 12 de novembro de 2011 a 8 de janeiro de 2012
Navigation Wharf, Carre St, Sleaford, Lincolnshire, NG34 7TW.
www.thehubcentre.info

Walford Mill Crafts: 14 de janeiro a 26 de fevereiro de 2012
Stone Ln, Wimborne, Dorset BH21 1NL.
www.walfordmillcrafts.co.uk