Exposição Design da Favela celebra o design espontâneo que nasce nas comunidades do Rio

 

Normalmente relacionado apenas ao universo do consumo, da comunicação e da tecnologia, o design também tem uma origem mais informal e abrangente: sempre esteve presente nas relações mais básicas do ser humano com o meio que o cerca.

A exposição O Design da Favela celebra o design intuitivo e espontâneo que nasce nas comunidades do Rio, onde a falta de recursos estimula a criatividade na busca de soluções para moradia, trabalho, artesanato, lazer e bem-estar, entre outras necessidades.

Despida do viés de design gráfico, industrial ou de mercado que normalmente cercam o assunto, a exposição reunirá noCentro Carioca de Design exemplos e histórias do design popular carioca em estado puro: filho da necessidade, fruto da criatividade.

Com curadoria de Ricardo Saint-Clair e Rodrigo Westin, e patrocínio da Prefeitura do Rio de Janeiro através de edital do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade, a exposição O Design da Favela tem conceito e realização da Dialogo Design em parceria com o Nosso Instituto, e apoio especial do Cieds e de outras associações.

A pesquisa de campo reuniu cerca de 125 itens de 15 comunidades do Rio: Vidigal, Chapéu Mangueira, Rocinha, Pavão, Pavãozinho e Cantagalo, Mangueira, Macacos, Providência, Complexo do Alemão, Cidade de Deus, Complexo da Maré, Santa Marta, Tabajaras, Babilônia, Cabritos e Barreira do Vasco.

Com fotos, objetos e suporte audiovisual, através de entrevistas com artistas e inventores, a exposição está dividida em cinco seções:

O Design do Anônimo

Uma lata de ervilha se transforma em uma lamparina, uma lata de tinta se transforma em uma assadeira. O mundo está repleto de objetos inventados, adaptados e reutilizados, sem a presença e a assinatura do seu autor. Quem fez primeiro? O que é cópia e o que é original? Mas uma coisa é certa: as soluções aqui expostas são soluções vencedoras. Seja por sua facilidade de produção, por sua sua eficiência ou por seu custo, esses objetos se reproduzem de maneira infinita como processos intuitivos que transcendem a autoria, democratizando sua forma e função.

O Design do Trabalho e do Ambiente

Criatividade e necessidade sempre andaram juntas. Nessa seção, estão expostas as soluções empíricas do relacionamento do homem com o meio em que vive, no seu trabalho, na sua casa ou na própria comunidade. O design informal como ferramenta de renda e sobrevivência. O design informal como método construtivo e espontâneo, que redesenha espaços sociais e tem impacto profundo no indivíduo e na sua auto-estima.

O Design do Lazer

A genuína criatividade popular ganha um terreno fértil e ilimitado quando é orientada para o lazer. Instrumentos musicais com cano de pvc e chapa de raio x, churrasqueiras com tambor de máquina de lavar, brinquedos de garrafa pet que são criados pelas próprias crianças. Criar com prazer para o lazer ainda é a melhor inspiração.

O Design do Artesanato

A fronteira entre design e artesanato nunca esteve tão indefinida, e é um terreno cada vez mais explorado tanto por designers quanto por artesãos. Nessa seção, o uso inovador de materiais e processos, a qualidade técnica no acabamento e a linguagem autêntica e artística transcendem a estética e a função dos objetos, especialmente quando nos aproximamos de suas estórias de superação, solidariedade e generosidade, que vem transformando o tecido social das comunidades e de seus moradores nos últimos anos.

Do Informal ao Formal

Um dos nossos objetivos da exposição é estreitar as relações entre as comunidades pesquisadas e o universo formal do design no Rio, estimulando o acesso à formação acadêmica, o contato com a indústria, o comércio e as entidades de fomento públicas e privadas. Nessa seção, um exemplo de método construtivo de casas em Magé, que utiliza garrafas Pet, é comparado com outros processos e soluções acadêmicas e comerciais. A tarefa é enfatizar o Design como um processo de evolução contínua, através de sua metodologia que envolve pesquisa, prototipagem, testes e estudos de viabilidade econômica, passando ainda por promoção e comunicação.

 

 

 

Serviço: 

O Design da Favela – exposição

De 22.11 a 20.12

Centro Carioca de Design

Praça Tiradentes, 48 – Centro, Rio de Janeiro.

Tel.: 21.2976-6611

Horário: 11:00 – 20:00h – segunda a sábado