Museu do Design convida a voltar à URSS

A nostalgia pela vida soviética está hoje em voga. Usuários de internet se reunem em comunidades, partilham memórias de infância e adolescência, veem fotos de artefatos dos anos 50-80, discutem quanto custavam as coisas na altura, como brincavam a fazer explodir os pacotes de leite vazios em forma de pirâmide ou como era difícil em condições de total défice comprar um aspirador ou uma televisão a cores. Estão em exposição não apenas coisas que se usavam na vida diária mas também projetos originais experimentais de designers soviéticos que nunca chegaram ao mercado.

Veja a fotogaleria

A julgar pelo fato de as salas de exposições estarem cheias de visitantes – o design soviético é interessante para muitos. As pessoas mais velhas vêm para lembrar o passado, os jovens olham com interesse os artefatos cujo uso nem sempre é fácil de determinar.

Especialmente para esses usuários, os organizadores colocaram junto de cada artefato não apenas descrições detalhadas, mas também monitores com vídeos que mostram como se usava isto ou aquilo, e até mesmo gravações de comentários de seus criadores.

Uma das peças menos comuns da exposição é um carro de cor verde. O número de marcas de automóveis na União Soviética não era grande: VolgaMoskvichLadaZaporojets, mas o carro exibido na exposição não se parece com enhum deles. Ele faz lembrar antes umOpel ou Saab. Como fica claro a partir do vídeo, esta peça é um protótipo do primeiro hatchback de classe empresarial na União Soviética. O modelo experimental Moskvich S-1, foi desenvolvido em 1976. A liderança não apreciou o modelo inovador – ele era demasiado diferente dos carros do costume. A única cópia sobreviveu milagrosamente até hoje e foi levado para a sala de exposições.

Nas palavras do criador deste incrível carro, o designer Igor Zaitsev, durante a montagem tiveram que considerar alguns momentos estranhos. Por exemplo, foram usados faróis do carro Opel Ascona, que na altura estavam no armazém, ou o painel de instrumentos de um trator francês.

Merecem uma menção especial os brinquedos para crianças: bonecas sempre em pé de aparência assustadora, kits de construção rústicos, modelos de equipamento militar e um carro vermelho brilhante com pedais e com luzes verdadeiras que funcionam a pilhas – o sonho de todo menino na época. Os visitantes da exposição que trouxeram seus filhos contam com entusiasmo às crianças sobre os brinquedos de sua infância, mas esta geração que brinca com jogos de computador e Lego não está em condições de apreciá-los.

Os organizadores da exposição procuraram dissipar o mito de que não havia design na União Soviética. Há que dizer que eles conseguiram fazê-lo bem. Ao visitar a exposição pode-se aprender que, ainda há 30 anos, os relógios Poliot e Raketa eram populares não só entre consumidores soviéticos, mas também eram exportados para a Europa, onde concorriam com êxito com produtos similares ocidentais. Ou que na União Soviética no início dos anos 60 foi criado um instituto pan-soviético de investigação científica de design industrial, onde inventavam exteriores incomuns para as coisas mais comuns.

Veja também