Pequenos notáveis

Mocho – Famoso pela poltrona Mole, de 1957, o designer Sergio Rodrigues (foto acima)projetou o banco Mocho (ao lado), em 1954. O desenho vem dos banquinhos de ordenha, que geralmente tinham um pé só – os outros apoios eram os pés da pessoa que o usasse

 

 

 

Não há dúvidas de que o jeito de sentar brasileiro foi transformado em objeto pelo designer carioca Sergio Rodrigues na década de 1950. E a mudança não veio com a poltrona Mole: três anos antes, em 1954, Rodrigues projetou o Mocho, um banquinho de madeira maciça com três pés, inspirado nos bancos de ordenha. Para Adélia Borges, curadora da mostra In Praise of Diversity (em tradução livre, Em Louvor à Diversidade) exposta em 2012 na galeria Droog, em Amsterdã, o Mocho é o banco mais emblemático do design brasileiro. A exposição reuniu 62 banquetas – entre indígenas, populares e as assinadas por designers como Sergio Rodrigues, Ilse Lang, Flávia Pagotti Silva, Marcelo Rosenbaum e Carlos Motta –, 50 delas do acervo pessoal de Adélia.

O objeto está presente na tradição popular brasileira muito antes da colonização e sempre ergonomicamente impecável para sua função. “O banco reflete a cultura de onde ele foi feito e da pessoa que o projetou. Cada tribo indígena tem seu formato e seus grafismos. Mais tarde, com a chegada dos portugueses, encontramos o estilo caipira [com dupla inclinação no assento] no sul de São Paulo e Minas Gerais”, explica a curadora. Em sua casa, por exemplo, Adélia tem um banquinho de três gerações e muitas funções – o objeto foi de seu avô. “É um banquinho no qual meu avô sentava, típico do sul de Minas Gerais. É de madeira, baixinho, e uso pra sentar, para apoiar os pés, como apoio para outras coisas”, relata.

Além de compacto e funcional, os banquinhos são versáteis. O designer mato-grossense Sérgio J. Matos que o diga. Seu banquinho Carambo­la, lançado em 2010 no Salone Sattelite, em Milão, recebeu o prêmio máximo de design internacional no ano passado, o IF Design Awards. O Caram­­bola pode ser um banquinho, um cesto ou a base de uma mesa lateral. “A ideia veio de uma armadilha de peixe que vi na Paraíba, o covo. Mas depois de de­­senvolver a trama, achei o formato parecido com a fruta”, conta o designer. Na terra de Macunaíma e Jeca Tatu, sentar em um banquinho pa­­rece uma coisa natural. Conheça alguns bancos brasileiríssimos, projetados por designers nacionais.

1. Dos designers Flavio Borsato e Mauricio Lamosa para a Móveis Muller, banco Diamante. Na Simmetria Ambienti, R$ 3.856.

2. Banqueta Augusta, na Oppa Design, R$ 89,90.

3. Xique Xique, do designer Sérgio J. Matos, na Simmetria Ambienti, R$ 2.911.

4. Do designer Luciano Mandelli para a Tidelli, banquetas Flex. Na Ton Sur Ton, R$ 720.

5. Morato, na Oppa Design, R$ 459.

6. Khan, na Momentum& Design, R$ 2.348.

7. Do designer Luciano Mandelli para a Tidelli, bancos Technicolor. Na Ton Sur Ton, R$ 660 (cada).

8. Garden Seat Bamboo, na Momentum&Design, R$ 1.928.

9. Hay, na Oppa Design, R$ 299.

10. Neo, na Móveis Campo Largo, R$ 723,90.