Personalidades do design nacional e internacional compartilham ideias na Casa Brasil

Renata Maynart/Especial e Ana Carolina Bolsson / Zero Hora

Estes nomes são familiares para o os mercados de design, arquitetura, moda e arte. Suas ideias e criações norteiam estilos de morar e vestir por meio de formas e materiais redescobertos. Cabem aí soluções antenadas no combate à geração de resíduos e a concepção de produtos feitos para durar.

Os sete expoentes de diferentes gerações e procedências estiveram na Casa Brasil para contar experiências e apresentar novos projetos. Entre eles, o mestre Sergio Rodrigues que, além de uma mostra, lançou uma nova peça, a poltrona Tetê. E Fernando Mendes , que trouxe como novidade a poltrona Sapão.

Sergio Rodrigues

A visita do carioca Sergio Rodrigues, pioneiro do design nacional, é sempre especial. Com Fernando Mendes, a dupla apresentou uma coletânea de móveis criados por um e executados por outro. A parceria de longa data evoluiu para um capítulo especial: o Instituto Sergio Rodrigues, inaugurado há um ano, no Rio de Janeiro. Em 2014, em comemoração aos 60 anos do banco Mocho, uma nova peça será lançada, e a renda, revertida para a manutenção do acervo.

– O melhor da feira é o Fernando. Assino embaixo – brincou Sergio.

Ronaldo Fraga

Num trabalho que reúne moda, artesanato e decoração, foi lançado na Casa Brasil o projeto Design na Pele, que busca incutir autoralidade no processo do curtimento do couro. Para isso, o estilista Ronaldo Fraga e a artista plástica Heloísa Crocco visitaram por quatro meses sete curtumes, num projeto idealizado pelo Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB).

– A ideia é tentar romper com a distância oceânica que ainda existe entre a indústria no Brasil e o design – diz Ronaldo.

Um dos maiores exportadores de couro do mundo, o Brasil ainda cai posições quando se fala no mesmo produto com valor agregado. – Não trabalhei em cima da superfície pele. A versatilidade do couro é muito maior do que simplesmente pintá-la com as tendências – afirma Heloísa.

 

Bertjan Pot

Irreverente como criador, o holandês Bertjan Pot tirou a máscara ícone de seu trabalho do rosto e revelou-se ao público. Da série de peças artesanais nascidas de experimentos para tapetes, incorporou doses de originalidade. Também falou na palestra da ampla experiência com fibra de carbono e do trabalho em busca de leveza.

– Se você quer um trabalho moderno, pode usar estrutura de metal para deixá-lo leve e aplicar a madeira apenas como cosmético – afirmou, ao mostrar uma mesa. Outro destaque foi o processo de criação de uma peça literalmente vestida com tricô, sem emendas.

 

Zanini de Zanine

A experiência com madeira, plástico, aço inox e metacrilato do designer carioca Zanini de Zanine rendeu grande parte de sua palestra. Desde a poltrona Trez, acolhida pela italiana Capellini depois de não engrenar no Brasil, outras experiências foram relatadas. Assim como a engenharia de criação para a luminária Flora, da Slamp.

 O próximo passo terá mais brilho: cristais serão integrados ao time de materiais.

Paulo Uilan

O italiano Paolo Ulian abriu sua palestra falando que o design precisa interpretar o dia a dia com ironia e leveza: – A casualidade faz com que tenhamos novas ideias.A multifuncionalidade da cartilha contemporânea não ficou de lado. Um abajur em suas mãos também agrega garrafa de água e copo, como as moringas. Nem o mármore de Carrara, cidade onde reside, é poupado. Arestas viram pés, dando um fim nobre aos resíduos.

Marcelo Ferraz

– Você pode ser internacional sendo você. É uma questão de inquietação pessoal – iniciou sua palestra o arquiteto paulista Marcelo Ferraz, sócio fundador do Brasil Arquitetura.

Entre os trabalhos apresentados, o Museu do Pão, em Ilópolis, que expôs o convívio com os imigrantes. Passadiço entre volumes arquitetônicos e luminárias “criadas” pelos colonos com postes de luzes preexistentes. Todos estão lá.

Os móveis da Baraúna, em parceria com Francisco de Paiva Fanucci, nascem da relação com o projeto que irá acolhê-lo, os chamados “móveis de arquitetura”.