Todos querem design: o despertar das grandes empresas para a relevância do investimento na área

Fonte: Nathan Hurst, para Wired. Tradução: Julliana Bauer

 

Imagem: Wired

 

O mundo dos negócios está despertando para a importância do design. Nos últimos anos, o campo tornou-se o queridinho das grandes corporações, mesmo entre aqueles que tradicionalmente não tinham nenhuma relação com design. Agora, há quem esteja respondendo de uma forma mais tradicionalmente corporativa: com a aquisição de empresas de design através de fusões e aquisições.

A Accenture anunciou na semana passada que está adquirindo empresa de design Fjord por uma quantia não revelada, colocando a enorme consultoria internacional na crescente lista de empresas multi-facetadas que estão integrando design com a compra de estúdios inteiros.”Trata-se de ajudar nossos clientes a se transformarem em negócios digitais”, diz Baiju Shah, diretor de estratégia e inovação da Accenture. “Nossos clientes estão descobrindo que o desempenho sustentável não pode ser realmente alcançado quando se usa um monte de alavancas tradicionais.”

Ele afirma que a Accenture está buscando incorporar mais design em sua operação principal, que é ajudar a construir empresas. Neste caso, a divisão de marketing da Accenture queria vasta experiência da Fjord no design móvel, para infundir melhor design digital no nível mais profundo de seus clientes da marca corporativa.

Mas enquanto a Fjord e a Accenture estão no negócio de ajudar outras empresas, outras aquisições empresa de design demonstram ainda mais ousadia. Recentemente, o Google e o Facebook compraram empresas de design (Mike & Maaike e Hot Estúdio, respectivamente), por exemplo. Não  que isso seja algo inteiramente novo: Em 2004, a fabricante de eletrônicos Flextronics comprou a Frog Design, e em 2011, o desenvolvedor de software GlobalLogic comprou a Method, uma consultoria de design.”O design já é tão central e relevante que contratá-lo apenas se e quando você precisar dele já não é mais uma boa jogada”, diz o CEO da Fjord, Olof Schybergson. “Investir nele e torná-lo parte de você é algo que é sustentável, crível e confiável para seus clientes.”

É importante lembrar também que vivemos em uma era em que o boca-a-boca causado pelas redes sociais tem um impacto insuperável no sucesso de uma empresa. A esse fenômeno, Shah chama de “mudança de poder para os consumidores.”

Na sequência, o Google e o Facebook compraram empresas de design. E Adobe comprou a Behance. E a Square comprou a 80/20. Ele exemplifica o que os historiadores do design estão tentando dizer: que o design importa, que ele está em todos os lugares e que as pessoas estão passando a entendê-lo. As empresas o estão transformando em um de deus pilares, em uma competência importante e em uma nova forma de adquirir talentos.

“Eu acho que houve uma despertar para a consciência do valor do design nos últimos dez anos ou mais”, diz Karl Heiselman, CEO da empresa de design Wolff Olins. “Como resultado, você está vendo as empresas cada vez mais colocando os designers em cargos de liderança das grandes empresas.”

 

Link da postagem original, em inglês: http://www.wired.com/design/2013/05/accenture-fjord/