Adriane Shibata Santos

Por Centro Brasil Design

O desafio era grande: atualizar o design de um produto com mais de dez anos de existência e de grande aceitação pelos clientes, mas que precisava ganhar outros mercados. A Busscar, fábrica de Joinville (SC), apostou em um novo projeto visual do ônibus de transporte de passageiros Panorâmico DD, criado em 1998.

Com isso, alcançou o reconhecimento do principal prêmio de design europeu, o iF Product Design Award. Esta é a segunda vez que a empresa conquista um selo iF: em 2009, o ônibus VB Elegance 360 recebeu a premiação.

O Panorâmico DD é um dos produtos da mostra principal da Bienal Brasileira de Design 2010 Curitiba, que começa no dia 14 de setembro. Nesta entrevista ao DesignBrasil, a designer da Busscar, Adriane Shibata Santos, descreve esse caso de sucesso.

DesignBrasil – Qual foi o conceito que direcionou o redesign do Panorâmico DD?

Adriane Santos – O processo focou na imponência, porém, sem perder de vista o refinamento, uma vez que o produto é dirigido ao turismo de alto padrão. Esse resultado foi alcançado com a aplicação de uma grande área envidraçada, retrovisores recuados, faróis e lanternas com tecnologia LED.

DesignBrasil – Quais os principais destaques do novo visual?

Adriane Santos – O projeto buscou trazer benefícios para todos os usuários do veículo – passageiros, motoristas e auxiliares – por meio de soluções de máximo conforto, segurança e acessibilidade. Dentre os destaques estão o porta-pacote com iluminação indireta, luzes de leitura com tecnologia LED, monitores LCD, comando individual de som nas poltronas e sistema multiplex para o controle da carroceria. O projeto ainda contemplou facilidades para montagem e desmontagem dos componentes do ônibus. Pelo grande porte, foi preciso trabalhar a redução de peso do produto final, uma demanda dos operadores para minimizar custos com combustível e manutenção.

DesignBrasil – Que materiais foram empregados e qual foi o critério de escolha?

Adriane Santos – Por se tratar de um produto complexo e sistêmico, diversos materiais e processos se mostraram necessários: fibra de vidro, principalmente nas peças externas, devido à resistência e fácil manutenção; aço, alumínio e grandes áreas envidraçadas. No interior, o predomínio é do ABS e polipropileno, algumas peças em poliuretano injetado, revestimentos plásticos e tecidos. A escolha dos materiais considerou características técnicas, acabamento visual, peso e custo.

DesignBrasil – Como se deu o processo produtivo?

Adriane Santos – O processo projetual aliou design e engenharia, buscando sinergia entre estruturas e acabamentos, como também redução de despesas de produção. No desenvolvimento, houve emprego de recursos tecnológicos, como softwares específicos para modelamento 3D e usinagem dos componentes, de maneira a garantir boa finalização do acabamento das peças, além de estudos de cores e texturas. Simulações em softwares especializados e testes em laboratório estrutural propiciaram qualidade e segurança ao veículo, gerando maior confiabilidade ao produto.

DesignBrasil – Qual foi a receptividade do público consumidor?

Adriane Santos – O produto anterior sempre teve muita aceitação no mercado por parte de nossos clientes. Como já apontado, esse foi um grande desafio. Conseguimos fazer um grande trabalho e o novo design agradou muito, principalmente pelo foco dado ao conforto dos usuários.

Mais informações:www.bienalbrasileiradedesign.com.brwww.designbrasil.org.br/debrazil

Redação: Juliane Bazzo (Centro de Design Paraná) e Juliane Ferreira (Interact Comunicação)