Agora é com os designers

Por Editor DesignBrasil

Inalva Corsi é jornalista, com pós-graduação em marketing. Atua há 10 anos como profissional especializada no segmento de mobiliário. Atualmente é publisher da revista Móveis de Valor e coordenadora do Clube do Designer. [email protected]

A exemplo da coluna anterior, vou continuar falando das feiras moveleiras, afinal esta é uma indústria que não para de crescer. Só nos três primeiros meses do ano participei de quatro eventos no Brasil e já estou de malas prontas para a Movexpo feira que acontece em Recife/PE, de 26 a 30 deste mês. Além das feiras internacionais, como o Salão do Móvel de Milão, que iniciou dia 13, e da Ligna e Interzun, que acontecem na Alemanha, entre final de abril e começo de maio…

Mas, das feiras nacionais deste início de ano, o principal destaque ficou mesmo com a Fimma Brasil, que acontece bienalmente em Bento Gonçalves. Um dos maiores eventos mundiais de tecnologia e suprimentos para indústria do mobiliário, a feira gaúcha reuniu boas inovações, especialmente em materiais.

Entre os destaques, um laminado de alta pressão, que apresenta como grande novidade o efeito de transparência, e os papéis decorativos que agora imitam a madeira não apenas no visual, mas também no toque. Esta inovação, apresentada por duas empresas, garante ao painel a reprodução exata de desenho e textura das madeiras. É a tecnologia imitando a natureza.

Mas a feira também abriu espaço para inovações na área de ferragens e acessórios, com corrediças de menor custo e gavetas de canto, por exemplo, que dão amplo aproveitamento aos espaços. É importante mencionar ainda as novas tecnologias em máquinas, que dão ganho de produtividade, através da redução do tempo de set up, e melhor qualidade no acabamento.

Alguns desses lançamentos participaram do Prêmio Inovação, evento que nasce com a proposta de dar visibilidade às inovações e estimular o desenvolvimento e seu aproveitamento pelos profissionais de design e pelas indústrias, naturalmente. As 29 indústrias selecionadas para a final do Prêmio apresentaram 38 projetos, o que mostra que a organização da Fimma tem chances de cumprir, no médio prazo, o objetivo de tornar a feira palco para lançamentos internacionais.

Pelos corredores da feira, encontrei muitos designers atentos às novidades e interessados em aplicá-las nos seus futuros projetos. Caminha-se rapidamente para um curioso impasse: os designers e os industriais têm os mesmos objetivos, mas o profissional de desenvolvimento terá que transpor uma resistência do empresário, motivada pelo lojista, que precisa ser estimulado a absorver as inovações a partir de um trabalho dos designers.

Agora a questão é saber quem vai começar primeiro.

Tags: