Criatividade, Design e Inovação

Por Ellen Kiss

Criatividade é essencial, mas é somente o primeiro passo para a inovação. É preciso também implementação, é preciso colocar idéias em prática.

Criatividade, Design e Inovação são termos bastante usados e discutidos atualmente e, ao mesmo tempo, com significados aparentemente similares entre si. Muito se questiona em publicações internacionais, blogs e livros a diferença entre estes três conceitos e sobre onde começam e terminam os limites, os significado e os domínios de cada um.

Não há dúvidas que o uso efetivo das três ferramentas são fundamentais para o sucesso de qualquer negócios, mas existem diferenças fundamentais entre elas. Este artigo pretende discutir a diferença entre Criatividade, Design e Inovação. Como aplicar cada um destes conceitos no desenvolvimento de um projeto?

Primeiramente, traduzindo os três conceitos, podemos dizer que:

(a) Criatividade é a geração de novas idéias, ou novas formas de olhar os fatos, ou mesmo a identificação de novas oportunidades, algumas vezes através da exploração de novas tecnologias, outras vezes por mudanças sociais ocorridas no mercado;

(b) Inovação é exploração bem sucedida de novas idéias. É o processo que conduz a geração de novos produtos, novos serviços, novas formas de gerenciamento de negócio ou até novas formas de se fazer negócio;

(c) Design é o que integra criatividade e inovação. É a disciplina de transforma idéias em tangíveis práticos e atrativos para usuários e consumidores. Design pode ser definido como a criatividade aplicada com foco em uma determinada intenção.

Dentro destes critérios, podemos afirmar que criatividade ou geração de idéias, de maneira isolada, não é suficiente. Historicamente, existe vários casos de inventores que não foram capazes de captar os benefícios dos seus produtos como por exemplo a invenção do raio-x, inventado por uma empresa chamada EMI mas transformado e sucesso comercial pela General Electric (GE).

Criatividade é essencial, mas é somente o primeiro passo para a inovação. É preciso também implementação, é preciso colocar idéias em prática. E para isso, uma empresa precisa de processos, procedimentos e estruturas que permitam uma execução viável tanto econômica como produtivamente.

E onde o design é posicionado dentro desta fórmula?

Normalmente o design é associado com um tangível específico, um produto industrial com um determinado visual. No entanto, os benefícios do design são muito mais amplos. Pode se utilizar design com objetivos diversos: criação de uma nova função, ou um novo apelo estético, ou uma melhoria no sistema produtivo, ou um benefício sustentável ao meio ambiente ou mesmo para a criação de um novo modelo de negócio. Service Design, por exemplo, afeta a experiência dos consumidores na compra de um determinado serviço, como um banco ou um restaurante. Elementos do design são materializados na forma de produtos, serviços ou branding, todos parte essenciais da estratégia de negócio de uma empresa.

Portanto, o design é a disciplina capaz de criar ou identificar ou uma boa idéia associada a uma necessidade por parte do consumidor ou do mercado e transformá-la em um produto ou serviço efetivo. É a disciplina capaz de traduzir a criatividade em inovação.

 

Concluindo, é possível resumir os conceitos na seguinte fórmula:

inovação = criatividade + design (implementação)