Curitiba pode se tornar Cidade do Design

Por Centro Brasil Design

 

Por Julliana Bauer

 

Bruno Patias Volpi, Juliana Mayumi Ogawa e Lucas Queiroz

 

 

Há cerca de nove meses, um grupo de designers curitibanos vêm se reunindo semanalmente com um objetivo: levar para capital paranaense a certificação da UNESCO de City of Design. Com isso, Curitiba se tornaria uma cidade do design, ao lado de Buenos Aires, Berlim, Montreal, Kobe, Nagoya, Shengzen, Shanghai, Seul, Saint-etiénne, Graz e Pequim. Desde que começaram as mobilizações para trazer o título para a capital paranaense, o grupo que integra a ICCD – Iniciativa Curitiba Cidade do Design, já passou por algumas alterações, mas sem nunca se desviar do ideal de que o design curitibano pode mudar a cidade.

Confira o bate-papo que o DesignBrasil teve com  Bruno Patias Volpi, Lucas Queiroz e Juliana Mayumi Ogawa, que encabeçam a iniciativa.

 

Como surgiu a ideia de transformar Curitiba na cidade do design?

Lucas: No final do ano passado um amigo voltou cheio de ideias de Montreal, no Canadá, onde estava fazendo mestrado. Montreal é Cidade do Design desde 2006, então o tema tem bastante importância na cultura local. Juntamos uma equipe – que já aumentou e diminuiu desde então – mas sempre tivemos a crença de que o design de Curitiba é menos reconhecido do que deveria e que o design produzido aqui pode mudar ainda mais a cidade. Assim, a questão real é que o design curitibano já é de altíssima qualidade, mas que pode, sim, fazer ainda mais pela cidade onde vivemos. Para isso, acreditamos que a certificação internacional da UNESCO pode mostrar aos designers curitibanos que as possibilidades são ainda maiores do que parecem.

Por que Curitiba é uma boa candidata para o posto?

Bruno: A cidade possui características essenciais a uma cidade do Design, como cenário cultural e da indústria criativa movimentados pelo design e em constante expansão; reconhecimento internacional pelo design urbano e arquitetura; instituições representativas de ensino e centro de pesquisa em design; atuação de grupos de profissionais de design. Devemos mencionar também a experiência em receber feiras, eventos e exposições dedicadas ao tema.

Icarus Session, evento realizado pelo ICCD

 

Que benefícios esse título traria para a cidade?

Juliana: O título em si representa o reconhecimento do potencial da cidade no desenvolvimento de design em âmbito nacional e internacional. Além do destaque proporcionado pelo título, caso eleita, a cidade passaria a integrar uma rede global de Cidades Criativas, o que possibilitaria a troca de conhecimentos, experiências e melhores práticas com grupos culturais de todo o mundo. Trata-se de uma plataforma global que estimula a geração de novas oportunidades de cooperação e parceria com outras cidades que fazem da criatividade um elemento essencial de seu desenvolvimento econômico e social. Outro benefício que tem sido constatado desde as primeiras reuniões é a organização e articulação local dos atores envolvidos com design na cidade. A partir desta articulação, é possível fortalecer e desenvolver a indústria e a cultura de design já existentes por aqui.

 

Para que isso se concretize, por quais etapas e obstáculos vocês têm que passar?

Lucas: Segundo a definição da UNESCO, são necessárias duas coisas: a anuência da prefeitura para o projeto e uma pesquisa extensa sobre o cenário de design na cidade, que deve englobar quanto, como e por quem é produzido design na cidade. São necessários também dados sobre incentivos governamentais e privados, ensino e pesquisa de design, insfraestrutura cultural, fatos históricos relacionados ao design, planos de desenvolvimento local de design, entre outros.

 

Logo da iniciativa

 

 

Vocês Já conseguiram algum tipo de apoio?

Bruno: Sim, estamos mobilizando parceiros para a realização de nossas primeiras ações, como a Icarus Session. Esta iniciativa possibilitou a aproximação de organizações como a Agência Curitiba – Prefeitura Municipal de Curitiba e IPPUC. Instituições como ProDesign>PR, Centro Brasil Design e HUB Curitiba já oficializaram apoio e também acompanham nossas ações.

 

Quantas pessoas estão envolvidas no projeto?

 Lucas: Atualmente três, mas já tivemos mais pessoas que colaboraram durante algum tempo com o projeto. Buscamos o envolvimento de mais pessoas por meio de ações para coleta de dados e iniciativas como o Icarus Session (que pode ser visto com mais detalhes em: http://curitibadesign.org/icarus-session/) e em breve reuniões temáticas para discutirmos como Curitiba pode desenvolver o seu design, como agiremos para que o design seja mais acessível para a população, como é possível trazer mais negócios da indústria criativa e mais especialmente do design para a cidade, entre outros assuntos.

 

Quem quiser juntar-se à causa, como pode ajudar?

 Juliana: Aqueles que desejam colaborar podem se inscrever no formulário de nosso site – http://curitibadesign.org/faca-parte/. Em breve teremos mais atividades para os nossos Embaixadores do Curitiba Cidade do Design.