Design automotivo: panorama e perspectivas

Por Editor DesignBrasil

O panorama do design automotivo no mundo e as perspectivas para quem deseja ingressar na área.

Recém chegado de uma temporada na Europa, onde estava estudando e trabalhando, pude ver com meus próprios olhos as reais dimensões da crise mundial. Estive na Itália, França, Espanha, Alemanha e Inglaterra. E em todos esses países, a crise atacou com força.

Uma das mais atingidas foi a Itália, a meu ver um dos berços do design mundial, local dos mais famosos estúdios e casa de montadoras tradicionais como Ferrari, Lamborghini e Fiat. No geral, a queda nas vendas foi em torno de 20% a 25%, mas alguns casos extremos de montadoras menores, caso da Alfa Romeo, a queda foi da ordem de 40%. E vale lembrar também das montadoras americanas. O caso mais grave é o da GM, que entrou em concordata mesmo com ajudas bilionárias do governo norte-americano e hoje está fechando mais de 1.100 concessionárias nos Estados Unidos.

Essa redução nas vendas logicamente reflete diretamente em nossa área de trabalho. Mesmo sendo o design uma minúscula parcela de uma empresa de automóveis, ela é ao mesmo tempo uma das mais importantes, pois nos dias de hoje o design dita o sucesso ou fracasso comercial de um novo modelo. Graças a esse fator, apesar do mercado na área do design automotivo não se expandir como há alguns anos, ele não se retraiu. Não conheço um caso de um designer que tenha sido demitido em função da crise. Mas ao mesmo tempo não houve muitas contratações.

O fato é que, hoje em dia, a vida de um designer realmente não está fácil. Mas é uma situação que se repete em todas as áreas do design não só na área automotiva.

Estive recentemente em uma palestra em Milão, na Itália, com o head of design do grupo VW Walter De Silva, que controla as marcas VW, Audi, Seat, Lamborghini, Skoda e Bentley. Ao falar do mercado e de design, ele disse que, perante a crise, as perspectivas do grupo VW seria de normalizar tudo em mais um ano e meio a dois anos, no máximo.

Como sabemos que o design de um automóvel sempre se inicia no mínimo entre um e dois anos antes do lançamento do veiculo, creio que a tendência desse mercado e voltar a crescer rapidamente. Bem antes de a crise terminar. O que é uma boa noticia para aqueles que desejam ingressar no mercado, pois uma formação básica leva no mínimo um ano. Para aqueles que têm esse desejo ou paixão pelo design de automóveis, penso ser uma boa hora para procurar se especializar, pois ao sair do curso, com certeza o cenário mundial de automóveis estará favorável às contratações.

No Brasil existem diversas maneiras de entrar nesse mercado. A principal dela, sem duvida, são os cursos de design automotivo, ainda raros no Brasil, mas já oferecido em algumas instituições como a FAAP e a Belas Artes em São Paulo. Outro caminho bastante comum é a formação em desenho industrial, mas focando o curso para o design automotivo. Existem também uma infinidade de cursos de extensão e graduação no exterior, com preços bastante acessíveis para o padrão brasileiro, como os master courses da SPD (scuola politecnica di design) ou do Politecnico di Milano, ambas na Itália, e outras com preços mais salgados como as famosas Art Center College of Design, na California, ou a CCS (College for Creative Studies), em Detroit, USA.

Nesses cursos se aprende o básico do design automotivo como criação, sketch interior e exterior, ilustrações e rendering, cores e materiais, tendência de mercado, modelagem 3D e modelagem em Clay argila automotiva).

Em qualquer um desses caminhos, a formação um bom profissional do design automotivo se faz com muito estudo, pratica, bastante pesquisa e dedicação e criação.

Na próxima coluna irei abordar mais a fundo o tema das instituições de ensino, e explicar mais detalhadamente algumas das matérias inclusas nos cursos mais famosos. Ate lá.

Tags: