Design degrau por degrau

Por Editor DesignBrasil

Design degrau por degrau

Aproximando-se a data da inauguração da segunda exposição Criação Paraná em Curitiba, gostaria de comentar a contribuição dos serviços de assessoria em design para a indústria e, também, de reforçar que o grupo que pode se beneficiar deste tipo de serviço não se limita apenas a pequenas e médias empresas.

Apesar dos programas de fomento focarem as MPEs (devido a uma demanda óbvia e à obrigatoriedade de investir fundos públicos no desenvolvimento deste setor), toda a indústria deve ser envolvida de uma maneira ou outra. Este é o único caminho para criar um movimento consistente que estabeleça o design como imagem da indústria local.

As assessorias, quando atuam como facilitadoras do processo de desenvolvimento de produtos, passam a ser reconhecidas como ponte que liga pequenos negócios, com pouca ou nenhuma experiência em design, a profissionais desta área. Embora seja esta a função básica dessas organizações, essa imagem pode mascarar outro potencial desse serviço, o de fomentador de inovação e criatividade junto a outros tipos de empresas também.

É fato que cada empresa se encontra em um estágio diferente de utilização do design em seu processo. Percebendo isso, o Centro de Design da Dinamarca (DDC), reconhecido pelo seu bem sucedido serviço de suporte junto à indústria do país, estabeleceu uma escala para classificar o envolvimento da empresa com design. O método faz analogia a uma escada com quatro degraus:

1. Nenhum uso de Design – Empresas que se encontram neste primeiro degrau não fazem uso do design em nenhum estágio do processo. Outras disciplinas acumulam a função de introduzir funcionalidade ou estética ao desenvolvimento dos produtos ou serviços.

2. Design como Estilo – O design é introduzido em um estágio já avançado do projeto como no acabamento ou detalhe gráfico.

3. Design como Processo – O design não é usado apenas como produto final, mas como um método de trabalho. É integrado nos estágios iniciais do processo, combinando-se com às várias disciplinas envolvidas.

4. Design como Estratégia – Utilizado, por exemplo, como uma ferramenta de fomento à inovação no ambiente de trabalho. Neste degrau mais alto da escada, o design é incorporado como um elemento chave na empresa e portanto também no processo de desenvolvimento dos serviços e produtos.

As organizações de design precisam trabalhar diferenciadamente em cada degrau. No primeiro deles é essencial a transferência de conhecimento básico a respeito do processo de desenvolvimento de um produto, o que inclui a cartilha de como encontrar e contratar um designer. Empresas no quarto nível da escada são mais bem beneficiadas com atividades de promoção como exposições, seminários, networking… Elas precisam tanto ser alimentadas com exemplos de boas práticas de design e inovação como também podem ser exibidas como encorajamento para os demais degraus da escada.

Essa analogia, batizada como Design Ladder, foi utilizada em uma pesquisa conduzida em 2003 pelo DDC. Era um momento em que a instituição precisava apresentar ao governo dinamarquês evidências que comprovassem o discurso design adiciona valor. Foram ouvidas 1.500 empresas no país e a variedade da mostra reafirmou que o design pode ser fomentado em todo tipo de empresa – pequenas, médias, grandes, inovadoras ou tradicionais. A possibilidade de constante desenvolvimento mostra que não há limites para a exploração do design nos negócios.

A pesquisa gerou dados precisos. Uma das constatações mais relevantes foi o fato de que quanto mais alto o envolvimento da empresa com design (quanto mais alto o degrau da escada), mais alto o retorno financeiro do seu investimento. Também se provou que o impacto da rentabilidade gerada pelas exportações é significativamente maior para as companhias nos degraus mais altos. Este resultado reforça a idéia de que, ao incorporar design ao seu processo, a empresa não atinge uma meta final mas na verdade abre seu negócio para um crescimento baseado em criatividade e qualidade.

O que antes era percepção, está agora sendo comprovado em números.

Tags:

1 Comentário

  1. Dariya disse:

    Larissa disse:Eu gostaria de saber se essa escdaa, ja foi aplicada em alguma residencia? Porque, e9 muito bacana como desenvolveram ela, porem e9 dificil encontrar uma utilidade para uma escdaa dobradica ela so te permite ficar sem acesso ao anda de baixo?