Ecoesporte Internacional

Por Christian Ullmann

 Seleções candidatas à Copa FIFA 2010 como Brasil, Holanda ou Portugal têm suas camisas fabricadas a partir de plástico reciclado de garrafas de PET. O fabricante da roupa esportiva NIKE, patrocinador da seleção brasileira, utilizou fio de poliéster reciclado para a fabricação do tecido para vestir com matéria-prima reciclada aos melhores jogadores de futebol do mundo.

Cada camisa tem 8 garrafas de PET recicladas de lixões de Japão e Taiwan. Com esta ação, a NIKE poupou 30% de energia para fabricar o poliéster, se comparado com poliéster produzido a partir de matéria-prima virgem, e também reciclou 13 milhões de garrafas, quase 250 toneladas de plástico.

Esta não é a primeira ação de tomada de consciência internacional desenvolvida em escala mundial. Durante a Olimpíada de Inverno de Vancouver no Canadá os metais utilizados para a fabricação das medalhas olímpicas foram de origem do chamado “E-waste” ou lixo eletrônico. Todo ano, o Canadá gera 140 mil toneladas de lixo eletrônico e parte deste lixo foi utilizado para fabricar 1000 medalhas de ouro, prata e bronze obtidos de televisores, mp3, telefones e outros aparelhos eletroeletrônicos que os usuários descartaram.

Este tipo de ação tem um grande impacto e retorno de mídia na sociedade. Além de um bom impacto de marketing, incorpora outros valores bem interessantes, por exemplo a mudança de comportamento que este tipo de evento internacional pode trazer. Eventos internacionais têm centenas de milhões de pessoas vendo e acompanhando de perto as informações diretas e indiretas e são uma grande vitrine para este tipo de ação.

Desde o esporte até a saúde dos esportistas, estas mudanças tentam chamar a atenção e colaborar para reduzir, bem como minimizar a contaminação das grandes cidades. O COI – Comitê Olímpico Internacional advertiu durante as Olimpíadas de Pequim na China que a contaminação ambiental urbana é um grande risco para esportistas de provas de resistência. Um estudo científico confirmou o que muito expertos e esportistas já sabiam: provas de mais de meia hora de duração realizadas em cidades com alto grau de contaminação são perigosas para a saúde dos esportistas.* Informações e imagens obtidas do Portal espanhol Eco 13 – Ecologia y Medio Ambiente – http://eco13.net