Materiologia

Por Fernando Mascaro

Apresentação à edição brasileira

materiologiaHá alguns anos venho me dedicando a explorar as trincheiras do desenho industrial – um meio que, no Brasil, era quase exclusivo de engenheiros e profissionais voltados a uma formação mais técnica, focada em métodos e processos de produção para altos volumes. Em realidade, uma consequência quase natural da Revolução Industrial, quando a manufatura foi repensada para a produção em série.  Assim, desde o séc. XVIII, com a invenção da máquina a vapor, viemos passando por mudanças cada vez mais radicais e em ciclos cada vez mais curtos.

Uma verdadeira revolução vem permeando todos os meios produtivos.  Como consequência, mudaram de forma inexorável todas as relações de consumo.  Passar do artesanato à produção seriada quase num piscar de olhos, mais do que qualquer outro movimento, alterou definitivamente as relações sociais e econômicas.   E não era para menos.   Com um crescimento populacional cada vez maior e com os constantes movimentos do campo para as cidades, ou nos adequávamos aos novos cenários ou corríamos o risco de ficar à margem dos acontecimentos.

Dizem que foi um tiro de misericórdia no artesão habilidoso que “esculpia” um a um seus produtos, infelizmente numa velocidade aquém da requerida pelo mercado e a um preço que poucos podiam pagar.  Vivemos hoje essa mesma relação com outros bens de consumo e serviços.  Logo que a televisão apareceu e se consolidou como um meio de comunicação e entretenimento, disseram que o cinema acabaria, assim como dizem que os livros como conhecemos hoje vão desaparecer com a disseminação dos “livros digitais”.  Ao contrário, nunca houve tantas livrarias como hoje e muitas se transformaram em grandes centros de cultura e lazer, pontos de encontro e sociabilização.  Decorrência dessas transformações, nunca tantos filmes foram lançados e nunca se comprou tantos livros quanto hoje… e os artesãos, felizmente, continuam no mercado.

Mudanças são inevitáveis.  Evoluir é inevitável.  Mudam os meios e as mídias, mas nunca deixarão de existir os roteiristas, diretores, artesãos, artistas, escultores, fotógrafos, poetas, arquitetos e designers aos quais os autores dirigem este livro.  Assim, cada vez mais, precisamos ter uma visão mais abrangente das entranhas das indústrias de transformação e, para isso, além de conceber e projetar, conhecer materiais e processos fabris tornou-se fundamental para tornar o bom design acessível à grande massa da população.

“O cliente pode ter o carro da cor que quiser desde que seja preto”, teria supostamente dito Henry Ford, um dos grandes empresários que investiu pesadamente em projetos para a produção em série.  Em desuso há muitos anos, o “fordismo” contribuiu para “limpar” os produtos quase lhes tirando suas personalidades.  Hoje, entrando na era da produção digital, podemos cada vez mais customiza-los, mantendo a eficiência dos altos volumes e a economia de escala gerada, além de estabelecermos uma feliz relação de co-criação com quem consome.   E, por conta dessas novas facilidades, podemos dedicar uma especial atenção aos materiais.

O título Materiologia vem bem a calhar.  Além das já tradicionais matérias primas como os vidros, madeiras e metais, novas pesquisas e desenvolvimentos no campo dos materiais sintéticos como os polímeros, por exemplo, vêm abrindo cada vez mais o leque de opções para nossos projetos.

Materiais de fontes renováveis e cada vez mais simples de serem produzidos, usados, descartados, desmontados e reciclados.   Compósitos flexíveis, leves e resistentes descomplicam e simplificam a decisão de especificar um material que tanto pode ser usado como componente de um liquidificador ou de uma nave espacial.   E a luz, que grata surpresa, aqui é transformada em algo tangível!

Especificar materiais e processos de produção é, sem dúvida, um item de projeto do qual os profissionais criativos não devem se esquivar, ao contrário, devem se dedicar cada vez mais à pesquisa e desenvolvimento de tecnologias inovadoras e sustentáveis.   Em vez de ficarmos presos aos padrões existentes é preciso induzir à busca de novas soluções de produção por meio de um novo olhar sobre “projetar para os grandes mercados” – não importa se uma lâmpada ou edifício “verde”.   Digo que devemos ser especialistas em tudo o que é importante nas espirais de consumo, do desejo do consumidor ao pós-uso, pois projetamos para ou outros, não exclusivamente para nós.   Assim, é preciso enxergar o todo e saber de tudo.  Não há mais espaço para especialistas em uma única especialidade – isso é coisa do passado.  Devemos ser especialistas nas diversas especialidades!

Assim, conceber um produto pressupõe ir além do projeto.  Conhecer e dominar toda a cadeia produtiva é fundamental para garantir a sustentabilidade dos processos, dos negócios, dos mercados e para democratizar o acesso aos bens de consumo de maneira ética e amigável.  Produtos inteligentes concebidos para serem feitos com materiais e processos inteligentes geram um consumo inteligente, um descarte inteligente e uma reciclagem inteligente.

Nesse sentido, Élodie Ternaux e Daniel Kula nos proporcionam uma fantástica e didática visão sobre o tema.  Página a página, de forma concisa e clara, materiais e processos nos são (re) apresentados fazendo com que rapidamente lancemos um novo olhar sobre o que e como projetamos.  Não é possível sair ileso da leitura.  E pensar que o desenho de produto apareceu, de fato, há milhões de anos, quando foi criado o primeiro utensílio projetado pelo Homem com um dos materiais que usamos ainda quase da mesmo forma – a pedra.

Aperfeiçoar nosso conhecimento sobre concepção, projeto, materiais e processos industriais é condição fundamental para garantir a vida para as gerações futuras.   Portanto, para nós designers, arquitetos e artistas, este livro é um suporte exemplar.

Sinopse

Materiologia é um livro para pessoas que lidam com criação, utilizando materiais e tecnologias: um vasto grupo, que abarca de estudantes a profissionais iniciantes ou já experientes em áreas como arquitetura, engenharia, design e outras. Escrito em linguagem de fácil compreensão, Materiologia é rico em informações sobre materiais e tecnologias, abordando tudo o que sempre se quis saber sobre materiais, mas que nunca se esperou encontrar em um único volume. Com a publicação de Materiologia, o Senac São Paulo, além de mais uma vez cumprir seu compromisso com a excelência dos conhecimentos que dissemina, o faz de maneira desafiadora, oferecendo um guia inovador tanto pela proposta como pela abordagem que faz do assunto.