O novo cenário exige novos profissionais

Por Christian Ullmann

O próximo desafio é criar as bases da mudança para a formação da nova geração de profissionais. Profissionais que vão criar novos modelos de gestão, negócios, novos modelos de comportamento para finalmente termos os novos estilos de vida necessários para uma sociedade mais sustentável.

O caminho na direção da sustentabilidade está sendo traçado pelas oportunidades. Hoje, empresas, instituição e governo buscam a sustentabilidade para se posicionar no mercado, para inovar, evitar perdas, reduzir desigualdades e obter lucros.

Todas estas ações têm em comum alguns pontos:

· Existe um líder que acredita no conceito;
· A sustentabilidade é entendida desde a ótica da oportunidade;
· São desenvolvidas estratégias para alcançar os objetivos fixados;
· Desenvolve-se a cultura inovação social e programas de disseminação dentro das instituições e com as pessoas desenvolvidas.

Este é um processo de melhoria contínua e podemos considerar que, no Brasil, teve início há 10 anos. Hoje, a urgência do tema – em função dos indicadores de escassez de recursos, impactos ambientais negativos e a crescente desigualdade social – exige de nos uma atitude de mudança.

Hoje falamos de uma mudança radical, coletiva e sistêmica, frase que escutamos o ano passado no I Simpósio Internacional de Design & Sustentabilidade e dias atrás no Global Fórum América Latina, ambos eventos realizados na cidade de Curitiba. Aos poucos, reconhecemos que o mundo é insustentável e nossas ações, comportamento e estilo de vida desde o cotidiano tem que ser modificado, para assim poder melhorar as condições que entregaremos o mundo para as próximas gerações.

Esta mudança global já está acontecendo. Começa pela tomada de consciência de cada um de nós e da somatória de atitudes e mudanças individuais. O próximo desafio é criar as bases da mudança para a formação da nova geração de profissionais. Profissionais que vão criar novos modelos de gestão, negócios, novos modelos de comportamento para finalmente termos os novos estilos de vida necessários para uma sociedade mais sustentável. Isto exige a revisão e a mudança dos modelos de pensar e agir contemporâneos. Todos teremos que incorporar os valores sócio-ambientais nas nossas práticas, e indivíduos, escolas, poder público, empresas e mercados terão que ensinar, produzir, usar, regular, reciclar e vender de modos diferentes.

Durante o Global Fórum América Latina, o indiano Ram Charan, um dos mais influentes consultores de negócios do mundo, apresentou dez princípios para a inovação sustentável que têm por missão elevar o espírito humano para colaborar com a construção de redes sociais e promoção da inovação sustentável.

Charam afirmou todos podemos colaborar com o desenvolvimento sustentável de outras pessoas, grupos e comunidades, e, para isto, necessitamos de tempo, dedicação, paixão com raciocínio lógico e ferramentas específicas. Os princípios eram:

1. Definir uma causa, estabelecer as estratégias e resultados, bem como os mecanismos para dimensionar esses resultados.

2. Identificar as pessoas que vão se comprometer localmente com a causa.

3. Conseguir o consenso de todos os envolvidos, pois a partir do consenso o interesse se intensifica.

4. As empresas envolvidas devem projetar e gerir sistemas que permitam tornar um produto ou serviço acessível.

5. Projetar o sistema para as pessoas, grupos ou comunidades envolvidas é ter em mente que o sistema só vai funcionar se as pessoas executoras aceitam neste modelo de sistema. Caso contrário, é preciso voltar ao diálogo.

6. Identificar líderes na comunidade, pessoas de paixão e confiáveis que fazem as mudanças possíveis.

7. Não utilize estas ações como marketing, a satisfação pessoal não é medida pela publicidade da sua iniciativa.

8. Desenvolver um modelo de gestão eficiente, escolha três prioridades, com base na sua causa, nos resultados e avaliação dos resultados. Use palavras exatas, evitando conceitos e definições genéricas – não queira nunca abraçar o mundo.

9. Desenvolver a criatividade do grupo envolvido e identificar quais os recursos disponíveis para o desenvolvimento das ações.

10. Seja feliz, e o mais importante, faça outras pessoas felizes.<?xml:namespace prefix = o ns = “urn:schemas-microsoft-com:office:office” />

Educação é ponto estratégico – Nas instituições de ensino existem projetos pontuais que tratam da questão da sustentabilidade agora os esforços estão centrados em criar modelos de melhoria e atualização, não podemos esquecer que o que ensinamos hoje vai estar obsoleto em cinco ou dez anos. Desenvolver os modelos para preparar as pessoas para o futuro é hoje o maior desafio. O ensino tem o efeito multiplicador necessário que se inicia nos modelos, segue pelos professores e chega ate os alunos. A nossa mudança vai ser radical, coletiva e sistêmica quando a sociedade tenha domínio do uso da tecnologia, respeito pela natureza e responsabilidade social.

* Maiores informações do Global Forum América Latina: www.globalforum.com.br

Christian Ullmann para Portal DesignBrasil – Sustentabilidade

© Copyleft – É livre a reprodução exclusivamente para fins não comerciais, desde que o autor e a fonte sejam citados e esta nota seja incluída.

Tags: