Rafaelo Rodrigues da Silva

Por Editor DesignBrasil

Cada vez mais, temos produtos brasileiros muito bem desenvolvidos, que competem igualmente com produtos desenvolvidos pelos maiores players do mercado mundial

Com a proposta de oferecer aos clientes um serviço de design completo, da concepção até a viabilização do projeto, um grupo de profissionais de São Paulo fundou há quatro anos a Cacau Design. Pela primeira vez, o escritório participou do iF Product Design Award e saiu vencedor na edição 2009 com a tesoura Free Style criada para a Mundial S.A.
Nesta entrevista, concedida a Juliane Ferreira, especialmente para o DesignBrasil, o sócio-diretor da Cacau Design, Rafaelo Rodrigues da Silva, designer de produtos responsável pela prospecção de clientes do escritório, conta sobre a participação no prêmio, o que viu na abertura da exposição da feira dos vencedores do iF em Hannover e avalia a participação de produtos brasileiros no mercado internacional.
Rodrigues da Silva é formado em design de produto pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Em 2008, lecionou no Istituto Europeo di Design de São Paulo. Além do IF Design Award 2009, tem outras premiações como a segunda colocação no 1º Prêmio Mueller Talentos do Design.
Confira a entrevista.Design Brasil Você participou da abertura da feira em Hannover, onde estão os vencedores do iF Product Design Award 2009. Qual a sua avaliação da exposição, do prêmio e da participação dos brasileiros? Rafaelo da Silva Para mim, como foi o primeiro ano que nós participamos e visitamos a expectativa era enorme. Sabemos da importância que a CeBit e Hannover têm para o mundo quando se trata de feira de negócios, então o que encontramos lá simplesmente confirmou a fama, a história. Eles não brincam, é extremamente profissional, a estrutura é fantástica. Quanto a nossa participação, credito isso ao DEBrazil, MDIC, Apex e à coragem dos nossos clientes e designers em colocar produtos para serem avaliados por um júri extremamente rigoroso. Isso já foi citado por outros participantes, mas vale repetir. Cada vez mais, temos produtos brasileiros muito bem desenvolvidos, que competem igualmente com produtos desenvolvidos pelos maiores players do mercado mundial. Design Brasil O que ainda falta para que o design de produtos feito no Brasil ganhe mais espaço no mercado europeu? Rafaelo da Silva Acho que é muito mais uma questão de estratégia de venda das empresas. O Brasil é um país novo, estamos falando de culturas muito mais desenvolvidas que a nossa e isso cria uma barreira, mas aos poucos estamos conseguindo introduzir a nossa cara, mostrar a nossa competência e que conseguimos traduzir em produto tudo aquilo que aprendemos com eles. Design Brasil O empresário brasileiro, de maneira geral, está preparado para exportar produtos que atendam às expectativas do consumidor europeu em relação ao design? Rafaelo da Silva Se você dimensionar o mercado brasileiro inteiro, não, não temos condições de participar no mercado externo. São poucas as empresas que utilizam o design como estratégia efetiva. Não estou falando num simples face-lift no produto para tentar colocá-lo lá fora, pois isso não é design e eles percebem. Principalmente na Europa, eles valorizam o design aplicado de uma forma total, veja, por exemplo, a WMF, Nokia, BMW, KTM, entre tantos outros menores, são empresas que realmente acreditam no poder do design e o praticam, não se enganam. Design Brasil Qual a importância de receber um iF Product Design Award para a empresa Cacau Design?

Rafaelo da Silva Para nós é a realização de um sonho. Era um objetivo que tínhamos, mas não tão rápido assim, já que nossos principais concorrentes atuam no mercado há no mínimo uma década e nós há quatro anos.
Design Brasil Como se deu o processo de criação da tesoura Free Style? Quais eram as necessidades do cliente?
Rafaelo da Silva Manhã de maio, um dia como qualquer outro, recebemos o telefonema de um de nossos clientes, porém esse telefonema era especial: precisávamos desenvolver uma tesoura para atender o mercado americano. Contando com a estrutura do nosso cliente, recebemos informações suficientes para cruzar com as informações levantadas por nossa equipe durante a pesquisa sob a óptica do designer. Compilamos todos esses dados, avaliações, observações e sentimos que já era hora de iniciar a concepção do produto. O resultado que atingimos traduziu exatamente todo o trabalho de pesquisa (campo/forma/tendência e observação), a equipe de concepção conseguiu entender perfeitamente todos os pontos identificados e o que poderia ser melhorado, traduzindo em um produto inovador. O resultado foi tão satisfatório, que a Mundial S.A. decidiu comercializar o produto no mercado brasileiro também. Isso é o melhor resultado que nós poderíamos querer como resposta de um trabalho.

Design Brasil Quais os desafios da empresa para 2009? Rafaelo da Silva Manter-se focada no seu crescimento, consolidar os laços com nossos clientes atuais e conquistar novos, sempre com os pés no chão, de forma organizada, como manda o design.

Tags: