Trendsetters e Brasilidade 1

Por Editor DesignBrasil

Quando um tema começa a despertar o interesse geral, os sabichões de plantão (também chamados trendsetters) logo o apontam como tendência. Foi assim há dois ou três anos, quando o mundo começou a observar a China a partir da organização dos Jogos Olímpicos. De repente nosso repertório visual passou a incorporar diversos signos da cultura chinesa, que por sua vez inspiraram designers de produtos e interiores.

Agora é a vez da África, especialmente da África do Sul devido ao Campeonato Mundial de Futebol. Não é de hoje que a conhecida diversidade cultural africana fascina e inspira a criação de produtos em diversos segmentos. Em 2009, uma das mais reconhecidas marcas de mobiliário – Moroso – mergulhou nesse manancial para desenhar seus sofás e poltronas, e escolheu o colorido das estampas africanas para revestir a poltrona Binta com um patchwork multicolorido que muito lembra o vestuário típico do povo africano. Além disso, a forma da poltrona foi inspirada no desenho das raízes do baobá – árvore comum na África. Em 2010 a novidade Moroso foi a coleção M’Afrique, uma linha de assentos assinada por Dominique Petot (ver foto do post anterior).

A África também inspirou a empresa suíça Muungano, que apresentou na Stockholm Furniture Fair 2010 o projeto Baufrica, composto por mesas, sofás e luminárias que misturam cores africanas ao desenho funcional da histórica Bauhaus. As linhas do projeto, objetivas e austeras, contrastam com as cores vivas responsáveis por aliviar a austeridade do desenho. Ao contrário da Binta o projeto da Muungano recebeu muitas críticas – afinal, está mais para a frieza do Bauhaus do que para o calor africano. De toda forma é a África, inesgotável, emprestando seu repertório visual para o design contemporâneo.

Na Zona Tortona 2010 um designer de Botswana – Mabeo – decidiu não deixar essa onda passar em branco: investiu num espaço dentro do Superstudio Più e mostrou seu rico trabalho, inclusive, para os executivos da Moroso. Mabeo utiliza elementos da cultura local na criação de mobiliário contemporâneo e ainda gera trabalho e renda para sua comunidade.

A Tok & Stok também pegou a onda africana: acaba de lançar a poltrona Blend, revestida com tecido de estampa gráfica inspirada na tribo africana Ndebele. O produto leva assinatura do estilista Alexandre Herchcovitch. http://www.tokstok.com.br/30anos/produto24.html

Aqui vale um lembrete. A África não é um país, é um continente. Infelizmente a ignorância geral tende a colocar no mesmo caldeirão as vuvuzelas da Copa, o design de Mabeo e a maravilhosa melodia do senegalês Youssou N’Dour. Nós brasileiros, que bem sabemos a diferença entre os povos latinoamericanos (e não gostamos de ouvir que a capital do Brasil não é Buenos Aires), temos a obrigação de atentar para as diferenças entre os países desse continente.

Depois da Copa da África do Sul os olhares do mundo certamente se voltarão para o Brasil.
Com o crescimento do ecoturismo e a realização dos Jogos Panamercicanos 2012 e Copa 2014, o Brasil tende a ser ainda mais percebido e o produto made in Brazil tende a ser cada vez mais valorizado. Aliás, percorrendo os showrooms e eventos da Milano Design Week notei o enorme o interesse das empresas italianas no potencial de negócios com nosso país, visando o crescimento da rede hoteleira, dos restaurantes e espaços de entretenimento. Eis o espaço que esperávamos para fazer do Brasil nossa vitrine, designers!

Está mais do que na hora da indústria moveleira nacional investir em produtos que reflitam nossa diversidade, nossas riquezas, nossa brasilidade e sejam produzidos em larga escala – destinados inclusive à exportação. Copiar produtos europeus é uma fórmula esgotada, que não agrega valor, que não alavanca negócios. E ao contrário do que pensam muitos empresários, um produto com estas características não precisa ser conceitual – pode e deve ser comercial e competitivo, resultado do bom design.

SILVIA GRILLI
Formada em Desenho Industrial com especialização em Design de Interiores na Scuola Lorenzo de Médici (Florença). Designer titular da Studesign Projetos com grande vivência no Design de Produtos, atende empresas de destaque no setor moveleiro. Iniciou sua carreira na Arredamento, Vogue e Forma Design, e após um período de estágios e trabalhos na Itália fundou seu próprio estúdio em SP. Docente dos cursos de Design de Interiores e pós-graduação em Movelaria do SENAC-SP. Seu trabalho premiado foi classificado como contemporâneo light, sempre combinando recursos clássicos com novos materiais. Em seu portifólio constam projetos como a EcoLeo e coleções de móveis para as principais lojas de design do Brasil. leia mais no http://estudesign.blogspot.com